Reforma da casa: 8 dicas para antes de começar as obras

scimoveis

Fazer a reforma da casa é sempre um momento estressante, independentemente do tamanho da empreitada. Isso porque é uma ação que envolve fornecedores, prazos, orçamento e uma quantidade significativa de pó. Sem contar ainda os imprevistos e atrasos – infelizmente muito comuns.

Mas não precisa de pânico nem desistir de transformar o seu cantinho do jeito que você sonhou! É possível, sim, deixar a reforma da casa um pouco menos caótica se você seguir alguns passos simples.

O importante é levar em conta que todo o tempo que você utilizar no planejamento antes de efetivamente quebrar uma parede será recompensado em tempo, orçamento e dor de cabeça que você não terá.

8 dicas para reduzir o estresse da reforma da casa

1 – Planeje com antecedência (e ajuda)

É fundamental que você não faça uma reforma “go with the flow”, ou seja, resolvendo as coisas à medida que elas vão acontecendo. Não ter um planejamento de todas as etapas necessárias e com um cronograma muito bem definido é o primeiro passo para extrapolar orçamento e para atrasos significativos na sua previsão de entrega da obra.

Se a reforma da casa for muito grande, estrutural ou mais ousada, é interessante consultar o auxílio de profissionais experientes. Um arquiteto, por exemplo, tem o preço médio entre R$ 40 a R$ 100 pelo m² a ser projetado ou 5% do valor total da obra. Esse valor pode até parecer muito alto, mas ele não só será responsável por otimizar todo o seu projeto e seus espaços, como também irá montar um cronograma bem estruturado, um orçamento realístico e lidar com fornecedores e mestre de obras.

2 – Faça um orçamento detalhado

O orçamento já deve entrar na fase de planejamento, mas queremos dar uma atenção especial a este item. Isso porque muitas pessoas cometem o erro de esquecer alguns detalhes na hora de fazer o orçamento de uma reforma de casa. Além do custo do material, da mão de obra e de projeto, você também deverá desembolsar algum dinheiro para limpeza e retirada de todo esse material do seu apartamento/casa. Outro ponto importante é em relação aos móveis novos, à decoração e aos eletrodomésticos que serão colocados no projeto.

Uma coisa legal de fazer um orçamento de cada detalhe da obra é que você também poderá saber quando cada um deve ser comprado, o que dá uma folga extra no seu bolso. Ela também vai te oferecer uma visão real da empreitada e se é possível fazer tudo de uma vez.

Dica extra: o Click Reforma é um site que pode te ajudar a fazer uma estimativa do orçamento em mão de obra, reforma hidráulica, elétrica, pintura etc., caso essa realmente não seja a sua praia.

3 – Não economize nos seus profissionais

Você sempre pode buscar opções mais em conta, mas trabalhar com um profissional capacitado e com boas referências é essencial para que você não tenha de refazer tudo mais à frente. É o famoso “barato que sai caro”.

Essa máxima é verdadeira especialmente em obras que envolvem banheiros e cozinhas, uma vez que há uma grande quantidade de canos e fiações que podem ser comprometidas.

4 – Evite ter um grande número de prestadores de serviço/fornecedores

Quanto mais pessoas você tiver trabalhando no mesmo projeto, mais chances de ele ter algum problema de prazo, uma vez que um pode acabar prejudicando o trabalho do outro. Imagine se um deles atrasar e impedir o início do trabalho de outro, que aí terá de desistir do trabalho porque já se comprometeu mais com outro cliente?

Por isso, mesmo que signifique pagar um pouquinho a mais, procure uma empresa que já tenha um responsável pela hidráulica, outro pela elétrica e um pelas estruturas no mesmo lugar.

5 – Esqueça fazer obras perto do final do ano

Um dos grandes erros que acontecem com bastante frequência é começar uma obra no final de novembro, início de janeiro. A grande maioria das reformas de casa tem duração mínima de um mês e meio, o que faria ela se estender até as festas de fim de ano, certo?

O problema é que as lojas de materiais de construção e a esmagadora maioria das empresas responsáveis por obras também param. Isso fará com que a sua casa fique completamente revirada e sem ninguém para mexer nela por pelo menos uma semana.

Vale a pena esperar até o início de janeiro.

6 – Se for ficar em casa, faça uma ordenação do trabalho

Se você tiver a felicidade de poder sair do seu apartamento ou casa para a reforma dele, melhor! Mas se não tiver, é fundamental fracionar o serviço e estabelecer uma ordem de execução do trabalho para que a vida fique o mais organizada possível.

A principal dica é começar pelos cômodos que você mais utiliza e são os mais complicados como banheiro e cozinha, indo depois para os quartos e a lavanderia e só mais tarde para a sala e o jardim.

Em cada cômodo, a ordem básica é: demolição, alterações hidráulicas, alterações elétricas, projetos de iluminação, gesso, piso, marmoraria, instalação de luminárias, massa e primeira demão de tinta nas paredes, marcenaria, acabamentos, segunda mão de tinta ou colocação de papel de parede e instalação dos eletrodomésticos.

7 –  Se quiser mais calma, contrate um organizer

Existem empresas especializadas em mudança, estocagem e recolocação de todos os seus pertences em uma obra. Eles fazem todo o empacotamento, transporte, estocagem, desempacotamento e recolocação dos itens no melhor lugar possível. O serviço é um custo extra à obra, mas é também uma comodidade a mais.

8 – Comunique seus vizinhos e condomínio sobre o serviço

Toda reforma é sinônimo de sujeira, barulho e transtorno. Por isso, é de bom tom comunicar os vizinhos com pelo menos uma semana de antecedência para que eles se organizem.

Se a reforma for em um apartamento é fundamental comunicar ao síndico também. Afinal, em muitos prédios existem regras, horários e medidas de segurança que precisam ser seguidas.

cta-blog-sc-4-VendaELocacao