Organização financeira: evite o atraso de prestações e aluguéis

scimoveis

Confira algumas recomendações para ficar em dia com suas finanças.

Para que alguém possa viver com mais tranquilidade, tendo segurança e reduzindo o estresse do dia a dia, organizar-se financeiramente é absolutamente imprescindível. Aproveitar as coisas boas que o dinheiro pode proporcionar é recomendável, mas é preciso ter bom senso e controle.

Isso é especialmente importante quando se trata de ficar em dia com aquilo que garante sua moradia, como prestações de financiamento ou aluguel, por exemplo. Para algumas pessoas, isso pode parecer simples e básico, enquanto para outras pode ser uma tarefa difícil, principalmente quando as dívidas já estão se acumulando.

Seja qual for seu caso, informar-se e conscientizar-se sobre esse tema nunca é demais. Por isso, preparamos uma lista com as nossas melhores recomendações e dicas para que você assuma o controle da sua vida financeira e não fique refém das contas.

Dicas para se planejar e se organizar financeiramente

 

Mapeie os seus ganhos

Antes de qualquer coisa, você precisa ter uma visão clara e definida dos seus ganhos mensais, ou seja, o valor total que resulta da soma das suas fontes de renda. Esse é o ponto de partida para que você possa se planejar e executar devidamente as nossas recomendações seguintes.

 

 

Mapeie as suas despesas

Da mesma forma que você ganha uma quantia X mensalmente, também gasta uma quantia Y todo mês. Sendo assim, coloque no papel todas as suas despesas recorrentes (aluguel, água, luz, telefone, internet, supermercado, etc.), com seus devidos valores, faça a soma e os posicione lado a lado com os seus ganhos mensais.

Corte os excessos

Agora que você tem uma visão clara do quanto você ganha e do quanto gasta todo mês, é a hora de fazer os ajustes e deixar seu orçamento mais enxuto. Isso significa identificar aquilo que é supérfluo (dispensável) e deixar apenas aquilo que é absolutamente necessário, como as parcelas do seu financiamento ou aluguel.

Quanto mais apertada estiver sua situação financeira, mais você precisará fazer cortes. Caso contrário, pode reservar um percentual mensal para gastos que, por mais que não sejam totalmente necessários, podem ser benéficos – como se permitir sair para jantar ocasionalmente.

Quite todas as suas dívidas

Chegamos numa etapa importante. Se você tem dívidas, esse é o momento de estabelecer um plano para quitá-las totalmente. Dependendo da sua situação, pode ser bastante vantajoso negociá-las, pois muitas vezes é possível obter condições melhores de pagamento dessa forma.

Lembre-se sempre que essa deve ser sua prioridade número um: eliminar as dívidas e sincronizar seus ganhos com seus gastos. Isso pode significar passar algum tempo com o orçamento mais apertado, ficando com pouco disponível para lazer e afins, mas é para uma boa causa.

Não faça novas dívidas

Pode parecer redundante dizer isso, mas você não pode se deixar enganar mesmo quando sua situação financeira estiver se equilibrando. Não é incomum que algumas pessoas, no momento em que se veem com mais crédito disponível, acabem contraindo novas dívidas e perdendo todo o progresso que fizeram.

Especialmente enquanto estiver no processo de quitar todas as suas dívidas, é de suma importância que você não entre em novas prestações ou faça grandes compras parceladas. Não esqueça: parcelamentos são dívidas!

Controle seus impulsos de compra

Da mesma forma que alguém que faz uma dieta para emagrecer precisa mudar seus hábitos alimentares para não voltar a ganhar peso, você precisa mudar seus hábitos e incorporar uma nova consciência e cultura financeira para não ter gastos extras.

Um importante traço dessa nova consciência é a capacidade de conter seus impulsos de compra. Para cada coisa que despertar essa vontade, analise bem e seja racional. Você realmente precisa desse tal produto ou serviço? Existe uma alternativa mais barata?

Adquira o hábito de se questionar várias vezes antes de gastar seu dinheiro. Você vai perceber que, na maioria dos casos, essa vontade de consumir é passageira.

Faça um planejamento com metas

Uma boa maneira de manter-se motivado e com a sensação de estar realizando algo é estabelecer um plano com metas de curto, médio e longo prazo. Sobre quais metas serão, caberá a você definir, mas aqui vão alguns exemplos:

– Colocar o aluguel ou financiamento em dia em até 6 meses;

– Quitar 25% da dívida total em 3 meses;

– Quitar o total devido até o fim do ano;

– Após 6 meses, começar a aportar 20% do salário na poupança;

– Reduzir gastos supérfluos em 40% até o fim do semestre.

Monte uma reserva de emergência

Quantas vezes você já ouviu falar de alguém que foi pego de surpresa por algum gasto emergencial? Coisas como a compra de uma nova geladeira (pois a antiga estragou), conserto do carro, despesas médicas… As possibilidades são várias!

Por mais que não possamos realmente prever quando algo assim pode acontecer, o que podemos fazer é estarmos melhor preparados para que acontecimentos como esses não quebrem totalmente nosso orçamento e planejamento financeiro.

Uma ótima solução para isso é montar uma reserva de emergências. Inclusive, uma boa opção é usar sua poupança, que possui algum rendimento e através da qual o dinheiro pode ser manipulado com facilidade.

Quanto você irá reservar, só você pode saber, mas recomendamos que destine algum percentual da sua renda mensal para que, ao longo do tempo, você possa fazer com que essa reserva atinja um valor significativo, até o ponto em que você poderá começar a destinar esse percentual para investimentos mais rentáveis.

 

 

Fique atento a reajustes de preços

É bem sabido que os preços das coisas que consumimos estão sempre mudando. No supermercado, por exemplo, é onde provavelmente mais sentimos essa mudança. Então, para que seu planejamento financeiro seja bem-sucedido, não basta traçar um plano e estratégia e segui-lo às cegas, sem atualizá-lo ou refiná-lo ao longo do tempo.

Pelo contrário: é preciso estar sempre atento a mudanças que possam impactar seu orçamento, sejam essas alterações de gastos ou até mesmo de ganhos.

Coloque tudo no papel e/ou use aplicativos

Muitas pessoas não dispensam a boa e velha dupla do papel e caneta para fazer seus planos e cálculos. Porém, hoje em dia a tecnologia está bastante acessível para que possamos organizar nossas vidas financeiras.

Além das clássicas planilhas, que são ótimas para vários propósitos, smartphones e tablets também contam com uma extensa variedade de aplicativos especializados em finanças que podem lhe ajudar de forma completa e intuitiva a ter uma visão detalhada dos seus ganhos e gastos, fazendo todos os cálculos e os organizando para você.

 

ctas-blog-1024x128-TudoSobreFinanciamento